Foto: evgenyatamanenko/istock
Conversa de Mãe Saúde

Seu cérebro muda de tamanho por até dois anos quando você fica grávida, diz estudo

A gravidez traz muitas transformações para o corpo da mulher, mas uma delas dura muito mais que nove meses: a que acontece no cérebro. Acredita que ele muda até de tamanho para preparar a futura mamãe para cuidar do seu bebê?

+ Prepare o seu corpo para ter uma gravidez saudável. Saiba como
+ Imitar voz de criança ajuda no desenvolvimento cerebral dos bebês
+ Grávida no verão? Veja as dicas que amenizam o desconforto do calor excessivo

Pelo menos é o que diz um novo estudo da Universidade Autônoma de Barcelona, na Espanha. Através de exames de ressonância magnética, foram detectadas mudanças no volume da massa cinzenta, que diminuiu.  Pode parecer estranho, mas nesse caso, de acordo com os pesquisadores, a redução pode ser, na verdade, o cérebro se ajustando para deixar a mãe pronta para atender às necessidades de seus bebês. “As sinapses fracas são eliminadas dando lugar a mais eficiente e redes neurais especializadas”, diz a psicóloga Elseline Hoekzema, que fez parte do estudo publicado no site Nature Neuroscience.

Foto: razyph/istock
o “novo” cérebro, otimizado pela gravidez, pode ficar assim por até dois anos após ela dar a luz. Foto: razyph/istock

A prova de que não existem danos é o fato de não ter ocorrido nenhuma mudança na memória ou funções cognitivas das grávidas. E o melhor? Esse “efeito” pode durar até dois anos depois que a criança nascer. A matéria cinzenta que diminui localiza-se no córtex medial frontal e posterior, além do córtex pré-frontal e temporal, áreas que, segundo os autores do estudo, são regiões do cérebro envolvidas com processos sociais, como sentimentos de empatia e capacidade de compreender os outros.

A pesquisa realizou exames em 25 mães antes e depois da gravidez e 19 dos seus parceiros. Depois analisaram o cérebro de 20 mulheres que não estavam (e nunca tinham estado) grávidas e 17 dos seus companheiros. A diferença entre as primeiras mães e os demais (incluindo os homens) era explícita.

Entrevistada pelo “The Guardian” sobre o tema, Kirstie Whitaker, especialista em neuroimagem da Universidade de Cambridge no Reino Unido, e não participante do estudo, declarou: “faz sentido que uma mãe de primeira viagem tenha que trabalhar muito para entender as necessidades de seu bebê”, e complementou, “ser uma nova mãe é difícil e você tem que se ajustar muito. Seu cérebro vai ser capaz de responder a essa mudança e vai fazer isso para que você possa cuidar deste pacote de alegria recém-nascido”.

Enquetes

enquete

Que delícia junina te faz esquecer a dieta?

Carregando ... Carregando ...