Foto: STUDIOGRANDOUEST/iStock
None

Três indícios de que você está tendo um comportamento infantil. E isso não é bom!

Você já deve ter ouvido frases do tipo “nossa, parece criança” ou “ele está agindo como um moleque”, usualmente dirigidas a adultos que se comportam (do pior modo) como os pequenos. Essas atitudes, nessa fase, podem pegar super mal, te atrapalhar de verdade em várias áreas da vida e tem muita gente que nem percebe que as tem.

+ QUAL É O SEU PERFIL PROFISSIONAL: EXECUTORA, ANALISTA, COMUNICADORA OU PLANEJADORA? DESCUBRA!

+ SEU FILHO DESDENHA DAS SUAS BRONCAS? PSICÓLOGA TE AJUDA A VIRAR O JOGO

+ QUAL É A SUA? DESCUBRA CINCO PERFIS DE MÃE E SAIBA COMO AGRADAR CADA UM DELES

Possíveis razões do problema

De acordo com o psicólogo José Luiz Balestrini, o comportamento adulto pode ser extremamente infantilizado “devido à problemas ocorridos durante o desenvolvimento das suas habilidades em lidar com o mundo e com os outros. Essa infantilização das funções adaptativas, normalmente tem relação com o modo como fomos criados por nossos pais ou responsáveis, assim como com o que aprendemos com os adultos à nossa volta quando éramos crianças”.

Você nem se dá conta

Na maioria das vezes em que a pessoa age desse modo, não percebe. “Desde que somos seres sociais (ou pelo menos escolhemos viver em sociedade), é preciso observar no outro o que nossas ações causam. Nós temos o poder de mudar nossos comportamentos, mas isso só é possível através da percepção do que eles causam no mundo, no ambiente e em como isso atinge os outros à nossa volta”.

O profissional esclarece que um dos perigos é que essas atitudes, na maioria das vezes, “vem disfarçadas de adultas, mas quando paramos para pensar com calma, percebemos que na verdade estamos sendo piores que muitas crianças“. Confira três exemplos clássicos!

Foto: Wavebreakmedia-Ltd/iStock

Ficar emburrada

“É claro que temos o direito de ficar irritados, nervosos, com a ‘cabeça quente’, etc. Porém, também podemos trabalhar nossa mente para sairmos desse estado e resolver as coisas com equilíbrio e diálogo. Se o outro faz algo que te irrita é preciso conversar, mas com calma. ‘Esfrie a cabeça’ e o procure, mas não deixe de fazê-lo, pois guardar as coisas para si não irá resolver o problema”, alerta o especialista.

Culpar os outros por tudo

Se você sempre culpa terceiros por tudo o que dá errado na sua vida, fique bem esperta, há um problemão aí! “Tudo o que acontece dentro de uma relação, seja amorosa, amistosa ou  familiar, tem energia correndo de todos os lados envolvidos. Se em uma discussão, o outro é sempre o errado, isso pode acabar afastando a pessoa de você. É claro que é importante apontar (dentro do bom senso) quais os comportamentos que não lhe agradam, entretanto, mais importante ainda é aceitar que possui atitudes que também não agradam. Se for realmente necessário apontar culpa em brigas e discussões, procure a sua em primeiro lugar“, sugere o expert.

Foto: SIphotography/iStock

Mudar as “regras do jogo”

“Esse, na minha opinião, é um dos piores comportamentos que podemos observar em adultos. E acontece o tempo inteiro! Andar um pouquinho na contramão, parar rapidinho na vaga de deficiente, etc. Fazemos um esforço grande para ensinar que nossos filhos não devem roubar, não devem mudar as regras dos jogos para vantagem própria, então porque é tão difícil agir assim quando se trata de nós mesmos? Vale destacar quem usa de persuasão de chantagem para conseguir o que quer, atitude que pode ter consequências gravíssimas. Se não consegue controlar esses impulsos, não pense duas vezes em procurar ajuda profissional“, orienta o psicólogo.

Advertisement

Enquetes

enquete

Que esmalte é o seu queridinho da estação?

Carregando ... Carregando ...