Esses são os dez comportamentos que mais irritam quem frequenta a praia

Depois de lê-los, você nunca mais vai encarar a praia do mesmo jeito, não é mesmo?

7 de janeiro de 2017 - por DaquiDali
Praia também exige certa "etiqueta de comportamento" FOTO: thinkstock

A intenção era curtir as férias – ou os dias de folga – na praia no verão, mas a experiência acabou se transformando em um verdadeiro pesadelo. Isso porque determinados comportamentos alheios foram capazes de tirar o seu sossego.

+ Inspire-se nas famosas para aproveitar o verão com muito estilo

+ Movimento lança abaixo-assinado pedindo criminalização do assédio nas ruas

+ Você pode levar cinco meses para perder o peso adquirido nas festas de fim de ano

De acordo com uma pesquisa global encomenda pela agência de viagens online Expedia, e conduzida pela empresa Northstar com 11.155 viajantes, algumas atitudes fogem à etiqueta esperada nesse tipo de ambiente e realmente irritam os demais banhistas. Quer saber quais são?

Largar o próprio lixo

Tem coisa pior? Além de contribuir para aumentar a poluição e a sujeira na areia e no mar, ver um visitante ir embora sem recolher o próprio lixo incomoda 76% dos brasileiros e 52% dos veranistas na média mundial.

Beber demais

Exagerar no consumo de bebidas alcoólicas perturba 44% do pessoal aqui no Brasil e 41% da estatística restante. Os “bons drinques” alteram o estado psicológico e, sob seu efeito, a possibilidade de “causar” e atrapalhar o lazer de quem não está na mesma “vibe” é muito maior, não é mesmo?

Largar o lixo na praia ao ir embora é uma atitude que incomoda muito a maioria das pessoas FOTO: thinkstock

Largar o lixo na praia ao ir embora é uma atitude que incomoda muito a maioria das pessoas FOTO: thinkstock

Falar alto

Em torno de 44% dos participantes das terras tupiniquins apontaram que falar alto na areia é uma chateação. Torna-se impossível relaxar com tanto barulho aleatório de conversa no entorno. A conduta também foi considerada desagradável para os outros 36%.

Pais desatentos

Não é fácil olhar as crianças na praia, afinal, elas ficam tão empolgadas que querem fazer várias atividades ao mesmo tempo. Aqueles que não zelam pelo cuidado delas estão na mira (e não são bem vistos) de 41% dos banhistas nacionais e 38% dos turistas estrangeiros.

Chutar areia

Eis que você está tomando sol na maior tranquilidade com os olhinhos bem fechados quando, de repente, sente um jato de areia vindo não se sabe de onde! O culpado? Alguém que passou correndo, andando, que estava praticando algum esporte ou, ainda, brincando ao seu lado, e não percebeu que te deixou nessa situação. Cerca de 41% dos frequentadores das praias daqui não gostam disso e nem 28% dos estrangeiros.

O DJ

Da mesma maneira que falar alto, a caixinha de som com a música no último volume dos “vizinhos” chateia bastante: 34% dos brasileiros se incomodam com o fato, assim como 30% do restante ao redor do globo.

Quem fala muito alto, deixa o som no último volume ou bebe demais na praia também irrita os demais banhistas FOTO: thinkstock

Quem fala muito alto, deixa o som no último volume ou bebe demais na praia também irrita os demais banhistas FOTO: thinkstock

O invasor de guarda-sol

Praia cheia dá nisso… E na maioria das vezes, diga-se de passagem! É tão difícil encontrar um lugarzinho que a cadeira da senhora ao lado divide, praticamente, a mesma sombra do seu guarda-sol; 33% dos apreciadores nacionais não toleram a circunstância e, muito menos, 36% dos que são de fora.

O paparazzi

A máxima “cada mergulho, um flash” não cola com a maioria dos viajantes do exterior, 26%, que se zangam com tantos cliques. A febre das selfies, no entanto, não enfurece tanto assim os brasileiros – apenas 19% se enche com a postura.

Quem olha demais

A sensação de ter sempre um par de olhos, medindo e avaliando cada parte do seu corpo – ou do seu biquíni – aborrece 10% do povo pelas bandas de cá; na proporção das de lá, esse número sobe para 13%.

Casais indiscretos

Quem nunca cruzou com um casal “animado” na praia, quase como se estivesse entre quatro paredes sem mais ninguém? Pois é! A falta de discrição nesse sentido constrange 6% de quem vai ao litoral aqui e 14% na média mundial.

Tags: , , , , , , , , ,