Foto: Maynagashev/istock
Conversa de Mãe Mulher Saúde

Conheça e saiba como tratar as principais doenças respiratórias nas crianças

Clima seco ou úmido demais, poluição, imunidade baixa, poeira, dias mais frios, enfim, diversos são os motivos que podem desencadear doenças respiratórias. O problema é que, quando elas atingem bebês e crianças, o cuidado deve ser redobrado, e tem muito papai e mamãe que não consegue identificar o que o filho está sentindo, e muito menos como tratar. Naturalmente, a procura por um especialista é fundamental, mas ter um pouco de conhecimento pessoal não faz mal a ninguém. Sendo assim, conheça detalhes de alguns males muito comuns na infância.

+ Cardápio surpresa? Dê um up na sua imunidade com alimentos pouco conhecidos
+ Inverno pode favorecer as alergias respiratórias. Saiba como evitar o problema
+ Crianças que convivem com animais de estimação são mais resistentes a infecções respiratórias

Bronquiolite

Ela é o terror das mamães com pequenos nos primeiros anos de vida. É uma infecção viral causada por diversos vírus, sendo o mais comum o vírus sincicial respiratório, “e afeta crianças abaixo de dois anos (principalmente com menos de um ano)”, diz o Dr. Fábio Muchão, pneumo-pediatra, membro da Sociedade Brasileira de Pediatria.

De acordo com o médico, os principais sintomas “são tosse, coriza, sibilância (chiado no peito), cansaço e febre de graus variáveis. O tratamento inclui hidratação, fluidificação das secreções com lavagem nasal e inalações com soro fisiológico, fisioterapia respiratória em alguns casos, sendo que pode ser necessária internação hospitalar devido ao desconforto respiratório”. Ele ainda alerta que “crianças com bronquiolite não devem frequentar a creche ou escolinha enquanto estão sintomáticos”.

Foto: KatarzynaBialasie/istock
Foto: KatarzynaBialasie/istock

Asma

A asma atinge crianças e adultos é um dos males respiratórios mais conhecidos que existem. Dr. Fábio explica que ela “é uma doença inflamatória crônica que causa crises de tosse, cansaço, chiado no peito e dor ou desconforto torácico de graus variáveis”.

O profissional esclarece que “o tratamento das crises deve ser feito sob supervisão médica e inclui, principalmente, broncodilatadores (substâncias que dilatam os brônquios em crises de asma) e corticoides (hormônios com poderosa ação anti-inflamatória). Boa parte dos pacientes necessita de tratamento crônico para prevenir a ocorrência de novas crises”.

Resfriado comum

É preciso ficar de olho, pois as crianças são muito mais frágeis e o caso pode evoluir e se agravar para algo mais sério. “Aqui, caracteriza-se por uma infecção viral causada pelo rinovírus, embora outros vírus possam causar sintomas semelhantes”.

Mas quais são esses sintomas? “Os principais são tosse, coriza, espirros, obstrução nasal e eventualmente febre (de duração variável, geralmente até 72 horas). O tratamento é baseado em analgésicos e antitérmicos para dor e febre, ingestão de líquidos para hidratação, fluidificação das secreções com lavagem nasal e inalações, ambas com soro fisiológico”. O pediatra ainda lembra que “no caso de pessoas doentes, deve-se evitar aglomerações, lavar bem as mãos, principalmente após espirrar ou tossir, sempre usar um lenço descartável para proteger nariz e boca após espirrar ou tossir”.

Foto: kmrep/istock
Foto: kmrep/istock

Gripe

A gripe também é uma infecção viral, mas causada pelo vírus influenza, só que ela é mais forte, o que só aumenta o risco de perigo para os pequenos. “Muito semelhante ao resfriado, porém com sintomas mais intensos, a febre costuma ser mais alta ou prolongada e são comuns dor de cabeça, dores pelo corpo e indisposição mais acentuadas que o observado nos resfriados”, explica o profissional.

O tratamento é semelhante ao do resfriado, “mas no caso de determinados grupos de risco (como idosos, gestantes, portadores de determinadas doenças crônicas, imunodeprimidos e crianças menores de 2 anos) é recomendado o uso de um antiviral que precisa ser prescrito por um médico”, enfatiza o pneumo-pediatra.