G-STOCKSTUDIO/ISTOCK
Moda

Dicas te ajudam a montar um guarda-roupa versátil e estiloso com poucas peças

Um bom guarda-roupa não precisa ser abarrotado de peças e nem pesar no seu bolso para te deixar linda e segura em qualquer situação. O DaquiDali conversou com especialistas que te dão todas as dicas para aderir ao conceito de “cápsula”, mas de maneira personalizada para garantir versatilidade, estilo e, claro, economia em suas produções.

+ Descubra os melhores cortes de acordo com a textura dos seus fios

+ Sopas deliciosas te ajudam a cuidar da beleza da pele, cabelos e silhueta

+ Zona “V” sem mistérios: nove fatos sobre a região íntima que você deve conhecer

“As pessoas pensam que um guarda-roupa precisa ser grande para te atender nas várias ocasiões da sua rotina, mas isso não é verdade. Ele deve se adequar a você e a seu gosto pessoal, e nem precisa ser neutro demais, como o guarda-roupa cápsula tradicional. Dá para adaptar de acordo com a personalidade de cada uma, e com poucas peças, para ter algo muito bacana”, explica a consultora de imagem e estilo Ana Vaz.

A proporção ideal

Garantir a proporção certa de peças é o primeiro passo para um estilo versátil. Foto: BONNINSTUDIO/iStock
Garantir a proporção certa de peças é o primeiro passo para um estilo versátil. Foto: BONNINSTUDIO/iStock

O primeiro passo para montar uma boa coleção é pensar na quantidade que você precisa ter de cada peça. “Comece sempre pensando em proporção, porque tem peças que você pode e deve ter mais, e outras que dá para ter menos. Algo que funciona é garantir que 30% do guarda-roupa seja de partes de baixo e 70% de partes de cima (incluindo camisas, casacos e inteiros, como vestido e macacão). Isso garante equilíbrio e facilita o uso sem lavar, te dá uma manutenção muito versátil de looks”, aponta.

Estilo de vida

Peças que conseguem te acompanhar para o maior número de compromissos são as melhores escolhas. Fotos: Thinkstock
Peças que conseguem te acompanhar para o maior número de compromissos são as melhores escolhas. Fotos: Thinkstock

A seguir, o mais importante é entender bem a divisão do seu tempo e seu próprio estilo de vida, que deve guiar as escolhas. “Você tem que pensar onde gasta a maior parte do seu tempo, porque, se ele é mais gasto no trabalho e você quase não vai a nenhuma balada, não faz sentido ter mais peças para essas ocasiões noturnas do que as que pode usar no ambiente profissional. Precisa ser funcional”, indica a consultora de imagem e estilo Fê Bastos.

Outra maneira interessante de dividir é pela importância que você dá a cada momento específico, como conta Ana: “Você pode separar pensando no seu estilo de vida, tanto na sua rotina, como também atribuir importância para ela. Quando a área profissional é muito funcional e você não tem uma relação afetiva com ela, vale fazer uma cápsula menor para esse trabalho, e também investir em itens que você consegue usar nos dois momentos, tanto no lazer, quanto no escritório”.

Identifique suas peças-chave

Aquela combinação que você adora e repete sempre é a que esconde suas verdadeiras peças-chave. Fotos: Thinkstock
Aquela combinação que você adora e repete sempre é a que esconde suas verdadeiras peças-chave. Fotos: Thinkstock

É muito comum ver o conceito de peça-chave generalizado, como se você tivesse que ter determinados itens. Mas se eles não funcionam para a sua vida, não faz sentido comprar. “Peça-chave não é só aquilo que todo mundo tem que ter, porque tem itens que as pessoas gostam de dizer que são obrigatórios mas que você nem gosta de usar. Vale pensar na combinação que te deixa mais confortável e te faz se sentir mais bonita, o que está nesse look, que você não consegue viver sem, é realmente sua peça-chave e algo que vale você ter de boa qualidade e até em maior quantidade”, aconselha Fê.

Encontre suas cores

Reserve cerca de um terço do armário para peças coloridas e estampadas. Fotos: Thinkstock
Reserve cerca de um terço do armário para peças coloridas e estampadas. Fotos: Thinkstock

Um dos maiores problemas ao tentar montar um armário versátil é acabar investindo apenas em cores neutras, o que pode deixar o visual bastante sem graça. “A cor representa muito do nosso gosto pessoal e também tem adequação para ambientes. Pode equilibrar cores vivas e mais presentes com outras mais neutras, em menor quantidade. Escolha as que você gosta, pensando nas suas atividades, e assim você sabe se vai comprar mais ou menos. Se um terço for de coloridas e estampadas, você já tem um guarda-roupa minimamente interessante e criativo”, informa Ana.

Também é válido deixar as cores para itens que você troca com mais frequência, assim nunca ficará sem opções de produção. “Peças que duram mais, como blazer e calça, é bacana ter em tons neutros, e deixar as coloridas para as que você troca mais vezes, porque dão uma sensação de estar com uma roupa diferente, mesmo que a parte de baixo se repita. Abre muitas possibilidades”, conta Fê.

Analise o que você tem e o que falta

Anote o que você sentiu falta de ter ao se vestir. O que mais se repetir é prioridade na próxima vez em que for comprar uma roupa. Foto: George Doyle/Valueline
Anote o que você sentiu falta de ter ao se vestir. O que mais se repetir é prioridade na próxima vez em que for comprar uma roupa. Foto: George Doyle/Valueline

Antes de sair comprando roupas por aí é bom ter em mente o que realmente tem feito falta em sua vida, afinal, muitas compras por impulso acabam não tendo utilidade e ficam paradas para sempre no armário. “Olhe para o que já tem de maneira crítica, porque lá já tem coisas que você usa bastante e que são muito funcionais na sua vida, como aquela calça que vai muito bem em diversos momentos. Vale a pena – se você tem paciência – fazer uns 15 dias de análise, utilizando um diário de looks. Funciona assim: você anota todos os dias o que sentiu falta de ter, e o que mais se repetir é prioridade na hora de comprar algo novo”, esclarece Ana.

Um ponto importante para não gastar dinheiro desnecessariamente é se manter fiel às dicas acima e direcionar os seus gastos para o que mais importa. “O que as pessoas costumam fazer é gastar muito em itens que usam pouco, e isso é um erro enorme. Se você tem pouquíssimas festas por ano não faz sentido dispensar uma fortuna em um vestido para elas, é uma péssima compra. Pode pensar em alugar, ou mesmo eleger peças que funcionam para um look mais arrumado no seu próprio armário, como uma bela saia, por exemplo, com a qual vai poder caminhar para mais lugares”, alerta Ana. O mesmo vale para itens da moda: aproveite para pagar barato, porque elas podem perder o interesse rapidamente.

Invista em acessórios

Se você quer ter poucas e boas peças, os acessórios são muito importantes, isso porque trazem diversidade e – claro – podem custar muito menos que roupas “Vale muito a pena trazer mais itens diversos, em formatos e cores que contêm histórias diferentes, porque eles mudam mesmo completamente um mesmo look. Ter vários colares, brincos e anéis é uma maneira muito simples e econômica de versatilizar”, aposta Fê.

Advertisement

Enquetes

enquete

Que problema da pele do rosto mais te incomoda?

Carregando ... Carregando ...