Daqui Dali

Um pouco do mundo, um mundo de coisas. Da vida, da sua e da minha. DAQUI E DALI.

Posts com a Tag ‘igualdade de gênero’

Vídeo contagiante mostra por que temos que proteger as meninas de todo o mundo

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

 

Uma criança é um ser humano no seu estado mais puro, mais inocente, mais bonito. Ela enxerga a vida e o mundo de um jeito lindo e cheio de esperança. E quem tem um pequeno por perto sabe como eles têm a capacidade de renovar a esperança dentro de nós, adultos, também. É por isso que, nesse Dia das Crianças, além de pedir muitas bênçãos para as crianças de todo o mundo, o blog lembra a importância de protegermos a infância.

 

 

Screen Shot 2017-10-12 at 11.33.49

 

Nesse dia 11, que foi escolhido para celebrar o Dia da Menina, uma série de entidades internacionais, como a Unicef e a Plan Internacional, se uniram e lançaram uma campanha chamada #FreedomforGirls, ou Liberdade para as Meninas.

 

 

Screen Shot 2017-10-12 at 11.33.12

 

Na campanha, um vídeo lindo e supermotivador mostra meninas de todas as partes do mundo, da Índia aos Estados Unidos, dançando a canção “Freedom”, da cantora Beyoncé. Entre as imagens, há alguns dados bem impactantes: dizem que, a cada cinco minutos, uma menina morre por conta de violência; que, a cada quatro meninas, uma é obrigada a casar ainda criança; que 71% das vítimas de tráfico humano são mulheres; e que 130 milhões de meninas estão fora das escolas.

 

 

Screen Shot 2017-10-12 at 11.32.05

 

A campanha também foi criada para apoiar as metas que as Nações Unidas determinaram para o Desenvolvimento Sustentável, como o fim da pobreza, a redução das desigualdades e a igualdade de gênero. Líderes de vários países assinaram um compromisso de atender esses objetivos até 2030. Que nós possamos construir esse mundo mais equilibrado e melhor para as meninas e os meninos de todos os cantos, não é mesmo? Assistam o vídeo aqui embaixo, e um lindo feriado para vocês!

 

 

 

 

Projeto fotográfico clica meninas em “momentos reais” para cultivar a autoconfiança

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

 

A igualdade de gêneros é um dos assuntos mais comentados dos últimos tempos, mas ainda assim há muitas interrogações sobre como atingir esse patamar e em quais setores é preciso estar de olho. Pensando nisso, a norte-americana Martine Zoer decidiu, em 2014, lançar uma empresa de roupas infantis de gênero neutro – afinal, já é hora de deixar para trás a época em que azul e rosa eram praticamente sinônimo de garoto e garota, respectivamente, não é?

 

Strength | Image by @gesirois | #stillagirl

A post shared by still a girl (@stillagirl) on

Ao perceber que essa ideia levantou novas dúvidas, já que alguns não entendiam exatamente para quem eram feitas as peças da marca, ela resolveu fotografar crianças felizes e bem longe dos estereótipos de meninos e meninas. A iniciativa cresceu e deu espaço ao projeto Still a Girl (Ainda uma menina), em que as retratadas surgem em momentos cheios de pureza, descontração e autoconfiança.

 

Salty | Image by @__amelia_grace__ | #stillagirl

A post shared by still a girl (@stillagirl) on

“Compartilhamos imagens de garotas fortes, confiantes e capazes. Adoro imagens de meninas com pés sujos, escalando árvores ou brincando com insetos”, falou Martine ao “Huffington Post”. Atualmente, fotógrafos de várias partes dos Estados Unidos oferecem sessões fotográficas em que tentam capturar o mesmo espírito: de que não há um jeito certo ou errado de ser menina.

 

Summer | Image by @gesirois | #stillagirl

A post shared by still a girl (@stillagirl) on

“Em vez de se concentrar em looks e roupas bonitas, os fotógrafos buscam capturar garotas reais e momentos reais – um sorriso genuíno, um rosto bobo, um olhar ousado”, explicou a idealizadora, frisando que o projeto tem um reflexo importante para as modelos e seus pais. “Os pais adoram as sessões porque mostram suas filhas que a beleza real vem de ser você mesma. Por sua vez, as meninas se sentem empoderadas, porque aprendem que a verdadeira beleza vem do interior: você só precisa ser você“.

 

Warrior | Image by @raineygreggphotography | #stillagirl

A post shared by still a girl (@stillagirl) on

Essa é uma maneira criativa e prática de tentar diminuir a pressão dos padrões de beleza e dos estereótipos de gêneros na formação das crianças. “A fotografia é uma ótima maneira de não apenas dizer, mas mostrar às garotas que são lindas do jeito que elas são. As imagens são poderosas e uma única e linda foto pode afetar a forma como uma menina se vê”. E você, o que achou?

 

Animação sobre violência doméstica mostra como a vítima pode se sentir sozinha e invisível

quarta-feira, 19 de abril de 2017

 

 

A luta pelo fim da violência doméstica é mais do que necessária e, por isso, se faz tão presente por aqui e no Programa Eliana. É importante informar às vítimas sobre seus direitos, impulsionar as denúncias e, principalmente mostrar que elas não estão sozinhas.

 

 

E um novo curta animado, produzido pela organização britânica Refuge, usa a sutileza para colocar ainda mais luz sobre esse tema. Na animação embalada pela canção “Grow” (da cantora Frances), a personagem vai se sentindo cada vez mais invisível por conta das agressões sofridas. “O filme retrata uma mulher em sua rotina diária, mas que devido aos abusos que vem sofrendo, torna-se isolada e sozinha”, fala o texto que acompanha o clipe. Assista:

 

 

Percebeu? Bastou encontrar apoio para que ela retomasse suas cores e voltasse a sorrir para a vida. “O objetivo do vídeo é mostrar às mulheres que sofrem violência doméstica que elas não estão sozinhas”, explica o mesmo texto. O comunicado conta ainda que as imagens foram baseadas no relato de Melanie Clarke, uma mulher que sofreu abusos e passou a ser atendida pela Refuge.

 

Você se reconhece na tristeza da personagem? Lembre-se que a culpa nunca é da vítima e que a denúncia é um instrumento poderoso para acabar com a violência doméstica.

 

Indiana usa o skate como ferramenta pela igualdade de gênero

quinta-feira, 16 de março de 2017

 

 

A desigualdade de gênero é uma realidade em qualquer lugar do mundo. Em certos países, como na Índia, no entanto, ela é mais severa e prejudica ainda mais as mulheres. Foi por ter essa dimensão que Atita Verghese, skatista profissional indiana), decidiu usar o esporte como uma maneira de enfrentamento ao machismo em sua terra natal.

 

Seu projeto – sobre o qual fiquei sabendo pelo site “Hypeness” –, o “Girls Skate India”, possibilita que meninas conheçam um pouco mais sobre o universo do skate, aprendam a se equilibrar sobre ele e encontrem nesse esporte uma forma de valorização, confiança e liberdade. “A pista de skate é um lugar mágico que aceita qualquer pessoa, independentemente do gênero, da raça, da classe social. Andar de skate, para mim, é uma expressão de individualidade, de perceber suas forças e fraquezas, ao mesmo tempo em que há muita diversão e liberdade. Percebi meu potencial e minha força andando de skate, então quero compartilhar isso com outras garotas do mundo”, falou ela ao site do “TEDx Inovations”.

 

 

Apesar da força de vontade e do envolvimento de skatistas de outros lugares do mundo, Atita admite que é necessário quebrar muitas barreiras para fomentar a igualdade de gênero através desse esporte na Índia. “Porque as meninas perdem o respeito por serem vistas fora de casa como garotos. É preciso muito esforço para ter e manter as garotas envolvidas”, disse à mesma publicação. O trabalho, contudo, parece estar valendo a pena: as garotas do projeto até foram chamadas a estrelar o clipe da música “Alpha Female”, da banda Wild Beasts. Assista abaixo:

 

 

Além de promover aulas, o “Girls Skate India” também viabiliza e ajuda a construir parques públicos para a prática do skate. Quer mais? Os garotos são mais do que bem-vindos a participar de todas essas ações. “Ensinamos meninas E meninos, pois já há muita divisão entre os sexos e nós não queremos separar, mas unir”, avisa a página do Facebook.

 

É isso aí! Todos unidos por um mundo sem machismo. Eu curti, e você?

 

Uma homenagem às líderes do futuro

sábado, 11 de março de 2017

 

Ontem falei aqui no blog de uma campanha que visa colocar os holofotes sobre a falta de oportunidade das mulheres em diversos campos de trabalho, como a política, a tecnologia e a ciência, não é? E o post de hoje vai na mesma direção.

 

 

Na terça-feira, na véspera do Dia da Mulher, Wall Street recebeu uma estátua cheia de significados: uma garotinha destemida, com as mãos na cintura e o queixo erguido, foi posicionada de frente para a icônica figura do touro – produzida por Arturo Di Modica -, grande símbolo desse centro financeiro.

 

 

“Estudos mostram que companhias com mulheres na liderança performam melhor do que aquelas sem”, diz o vídeo que mostra como a obra foi feita. “Nesse Dia Internacional da Mulher criamos um símbolo da liderança feminina no presente e no futuro. E colocamos em um lugar em que ninguém poderia ignorá-lo. Wall Street, conheça a ‘Fearless Girl’ (garota destemida, em tradução livre)”.

 

 

Criada pela escultora de bronze de Delaware, Kristen Visbal, a estátua permanecerá no local por ao menos um mês. É possível, no entanto, que a “Fearless Girl” fique por lá muito mais tempo, já que vem atraindo muita atenção dos visitantes e sendo vista como uma forma de inspiração.

 

 

“Uma das imagens mais emblemáticas de Wall Street é o touro. Assim, a ideia de ter um tipo feminino de frente para ele ou o enfrentando nos impressionou como uma maneira muito inteligente, mas também criativa e envolvente para fazer essa declaração. Mesmo que seja uma menina, sua postura é de determinação, de franqueza e de estar disposta a desafiar e assumir o status quo”, explicou Lori Heinel, a diretora da empresa de aconselhamento em investimentos Global Street, responsável pela ação ao lado da agência McCann.

 

Eu adorei a ideia e espero que a garotinha de bronze ganhe espaço permanente na Wall Street. E você?