Daqui Dali

Um pouco do mundo, um mundo de coisas. Da vida, da sua e da minha. DAQUI E DALI.

Arquivo da Categoria ‘Sustentável’

Mãos gigantes surgem em canal em Veneza para fazer um alerta sobre as mudanças climáticas

quarta-feira, 17 de maio de 2017

 

 

As mudanças climáticas avançam – e com consequências bastante preocupantes –, ainda assim, às vezes o assunto parece restrito aos cadernos científicos, não é? Para tentar jogar os holofotes sobre o tema, o artista italiano Lorenzo Quinn criou uma instalação impressionante em Veneza: de um canal saem mãos gigantescas que escoram o Ca ‘Sagredo Hotel.

 

 

“A escultura “Support”, colocada em Veneza no Ca ‘Sagredo, coincidindo com a abertura da Bienal de Veneza, quer falar com as pessoas de forma clara, simples e direta através das mãos inocentes de uma criança. (…) Devemos todos, coletivamente, pensar em como podemos proteger nosso planeta e, fazendo isso, proteger nossos locais de patrimônio nacional”, disse em seu Instagram.

 

Como ele deixa claro, a escolha da cidade italiana para abrigar o projeto não foi por acaso, uma vez que estudos alertam que, por conta da elevação dos níveis dos mares – alavancada pelas alterações climáticas –, Veneza pode ser “engolida” pela água até 2100.

 

 

Também na rede social, o artista fala sobre as dimensões grandiosas do projeto e de sua preocupação ambiental ao produzir a obra. “As mãos tem aproximadamente 9 m em altura e pesam aproximadamente 2500 kg cada. (…) Elas são feitas de uma espuma expandida e coberta de poliuretano (todos recicláveis e serão reciclados) e, em seguida, pintadas”.

 

Filipino usa sua arte com recortes de papel para alertar sobre animais em risco de extinção

domingo, 7 de maio de 2017

 

 

Patrick Cabral é um artista de muitos talentos: programador web e animador, conhecido por seu trabalho com caligrafia e excelente na arte com recortes de papel. E foi esse dom que ele utilizou em um projeto que chamou a atenção por um motivo bastante nobre.

 

 

Nele, padrões intrincados e abstratos são usados em finas e frágeis camadas de papel que se sobrepõem para retratar animais de espécies tão diferentes quanto os locais do mundo em que vivem. Apesar de aparentemente opostos, todos tem algo em comum: estão em risco de extinção.

 

 

Entre os incluídos no alerta estão o tigre, o urso polar, o pangolim e a tartaruga marinha – todos postados em seu perfil no Instagram ao lado de um pequeno texto sobre sua situação.

 

 

Além desse trabalho de conscientização, Patrick Cabral também disponibilizou as peças para leilão e vai reverter metade do dinheiro para uma instituição de proteção animal do seu país.

 

Para refletir: ilustração mostra como os pedestres têm poucos espaços nas cidades

quinta-feira, 4 de maio de 2017

 

Uma ilustração de 2014 voltou a fazer barulho na Internet nessa semana. O motivo? Ela trata de um assunto atual e que precisa ser debatido: a maneira como muitas cidades são pensadas para privilegiar os automóveis, e não os pedestres.

 

Desenvolvido pelo artista sueco Karl Jilg para a Administração Rodoviária da Suécia, o desenho representa um recorte da vida urbana sem as áreas feitas preferencialmente para os carros. Para dar ainda mais dramaticidade, tábuas estreitas surgem no lugar de faixas de pedestres e calçadas terminam em desfiladeiros – uma alusão aos perigos que os caminhantes enfrentam ao deixar os poucos espaços destinados a eles. Olha só:

 

 

Impactante, não é? Claro que os automóveis são mais do que necessários (além de confortáveis), mas em um momento em que os congestionamentos são tão grandes quanto a poluição do ar se faz urgente pensar em novas configurações, como o apoio aos ciclistas e a melhora dos transportes públicos coletivos, não é?  O que você acha?

 

Artista americana pinta lindas paisagens dentro de caixinhas de balas

segunda-feira, 1 de maio de 2017

 

 

Hoje o blog entra no clima descontraído do feriado com a história de Heidi Annalise, uma americana que deixou seu emprego no governo, em Washington, e retornou ao seu estado natal, o Colorado, com um plano inusitado: criar pinturas de paisagens em telas diminutas, mais precisamente, no interior de caixinhas de balas.

 

 

Ela conta que se sentiu atraída pela ideia de ter essa espécie de estúdio portátil ao conhecer o trabalho de artistas que usam o mesmo tipo de suporte. “Quando suas pinturas são tão pequenas, você não precisa se preocupar em arrastar qualquer material por aí”, escreve em seu blog. “E a latinha também funciona como espaço de armazenamento para as tintas que você vai utilizar”.

 

 

Para deixar o resultado ainda mais curioso, Heidi posiciona seus quadros em miniatura sobre as áreas reais em que foram inspirados. Depois, fotografa cada um deles e posta as imagens no Instagram. É como se um pouquinho de fantasia se instalasse no mundo real, não é?

 

 

Para entrar no universo mágico e minúsculo da artista, é só clicar aqui.

 

Reuso criativo: artista japonesa cria peças detalhadas a partir de caixas de papelão

domingo, 30 de abril de 2017

 

Quando você vê uma caixa de papelão vazia, qual é o seu primeiro pensamento? Utilizá-la para armazenar algo, mandá-la para a reciclagem ou apenas descartá-la no lixo comum (se escolheu a terceira opção, por favor, reconsidere e comece a reciclar esse material)?

 

 

A artista japonesa Monomi Ohno deixou essas ideias triviais de lado e surpreendeu a web ao transformar esse elemento tão cotidiano em obras em 3D. Sua produção é muito variada e contempla de ícones da cultura pop – como o automóvel de “De Volta Para o Futuro” e as naves de “Star Wars” –, a animais e alimentos.

 

 

Seu trabalho, cheio de detalhamentos, texturas e surpresas, fica ainda mais admirável quando se descobre que ele é feito com o auxílio de ferramentas bastante simples, como tesouras, um cortador de caixa, uma régua, cola e fita adesiva! Impressionante, não é?

 

 

O mais legal é que seu interesse pelo papelão começou com uma mistura de necessidade e criatividade. Durante sua especialização em animação em 3-D na Universidade de Artes de Osaka, Monomi descobriu que o software necessário para seus estudos era bastante caro. Então, para economizar sem deixar de lapidar suas habilidades, ela passou a trabalhar com as caixas. Assim, quase sem querer, percebeu um talento e uma paixão. “Descobri que o papelão é um meio surpreendentemente divertido de trabalhar”, falou.

 

 

Talento, criatividade, e reuso em um mesmo projeto. Eu adorei, e você?