Daqui Dali

Um pouco do mundo, um mundo de coisas. Da vida, da sua e da minha. DAQUI E DALI.

Arquivo da Categoria ‘Crianças’

Bichinhos de pelúcia ajudam a educar crianças sobre a poluição dos oceanos

sexta-feira, 28 de abril de 2017

 

 

Bichinhos de pelúcia são companheiros praticamente inseparáveis da infância, não é? E foi por isso que a ONG Sea Shepherd decidiu utilizá-los como portadores de uma mensagem muito importante.

 

Com a ajuda de professores da primeira infância e sob o design da artista húngara Andrea Vida, a instituição criou um grupo de simpáticos animais, como baleias, golfinhos, pinguins e pelicanos coloridos e atrativos. Todos feitos à mão e apenas com materiais ecologicamente corretos.

 

 

Apesar da aparente fofura, cada um deles carrega em seu estômago peças que fazem alusão a resíduos de plástico, como copos, talheres, sacolas e muito mais. O motivo?  “Todo ano, um milhão de animais marinhos morre por conta da ingestão de plástico”, diz o vídeo que apresenta os oito PolluToys (abaixo, em inglês):

 

 

Esse problema é tão grave que há estimativas mostrando que em 2050 haverá mais plástico do que peixes nos mares!

 

 

A educação das novas gerações surge, então, como uma potencial solução para amenizar e acabar com essa triste realidade. “Entre os 3 e 5 anos, aprender através de brinquedos alavanca a retenção de memória em 77%”, conta a mesma gravação, explicando o uso das pelúcias e de suas histórias para comover e educar as crianças. Um jeito criativo, carinhoso e simples de ajudar a mudar o futuro, não é?

 

 

 

Ternura e poesia: uma série de fotos sobre a infância para adoçar ainda mais a sua Páscoa

domingo, 16 de abril de 2017

 

Hoje é domingo de Páscoa, um dia de reflexão, de fé na renovação, de esperança e de bons sentimentos. E, para mim, a infância é um dos grandes símbolos dessa crença na renovação.

 

 

Por isso te convido a conhecer a obra de Gwen Coyne, uma americana que trabalha com marketing digital e usa seus fins de semana para eternizar as peripécias da filha na série fotográfica “The Early Years” (Os primeiros anos, em tradução livre para o Português).

 

 

A menina, que atualmente tem seis anos, sofre com crises de asma e, por isso, suas visitas ao hospital são frequentes.  “Nunca sei quando um frio leve se transformará em uma emergência. Naturalmente, desenvolvi uma preocupação generalizada por sua saúde. Então quero criar imagens que nos ajudem a lembrar do tempo e do espaço entre esses momentos de intensidade”, falou à revista “Burn”.

 

 

Esses registros – feitos e editados pelo smartphone – passam longe do factual: com um olhar criativo e uma ajudinha do preto e branco, cada foto exala poesia, nostalgia e deixa no ar uma dose de curiosidade. “A maioria das imagens que eu tenho de minha própria infância estão em minhas memórias. Talvez isso também tenha influenciado minha abordagem de fotografá-la – um desejo de evocar um senso fantástico de infância”.

 

Around in circles.

A post shared by Gwen Coyne (@gwencoyne) on

 

Gwen conta que tem um outro objetivo claro com esse trabalho. “Espero que com o tempo esta série forme um retrato mais abrangente de seus primeiros anos, deixando espaço para sua imaginação e memória para preencher as lacunas”. Uma linda visão da infância, não é?

 

 

É com essas imagens cheias de amor, ternura e esperança que eu desejo uma Feliz Páscoa para você e para toda a sua família!

 

Pais transformam frases de filha pequena em lindos e divertidos desenhos

sexta-feira, 14 de abril de 2017

 

Crianças, em sua inocência e imaginação, têm uma forma linda e diferente de enxergar e explicar o mundo. Em uma conversa simples com os pequenos podem sair frases magníficas, daquelas que a gente sente vontade de anotar para nunca mais esquecer, não é?

 

E os designers americanos Martin e Michelle Bruckner decidiram utilizar seu talento com as imagens para eternizar as falas de sua filha, a pequena Harper. A brincadeira deu tão certo que se transformou no projeto Spaghetti Toes, no qual criam artes também com frases enviadas por outros pais corujas.

 

Alguns dos desenhos trazem conceitos amalucados e adoráveis sobre palavras e situações, outros abrigam explicações tão lindas sobre sentimentos que são capazes de tocar qualquer coração. Veja alguns e divirta-se:

 

Isso é um espelho ou uma maneira de sair daqui?

 

Quando você ama alguém é meio como se o seu coração estivesse tocando o dele.

 

Mamãe, você ainda está usando sobrancelhas bravas?

 

Papai, sei que a Mulher Maravilha geralmente luta contra o crime, mas você acha que ela teria tempo de vir essa noite e lutar contra a minha tosse?

 

Garotinha escolhe uma boneca e, de quebra, dá uma lição contra o racismo

quinta-feira, 6 de abril de 2017

 

Acho que os adultos têm muito a aprender com as crianças – e as notícias que ganharam destaque na internet (e, por consequência foram postadas por aqui) nessa semana só frisam isso.

 

Ontem mostrei aquele lindo vídeo em que os pequenos mostram ser completamente satisfeitos com sua aparência – bem ao contrário dos entrevistados de mais idade. Hoje, a história que comento é a de uma garotinha que, em toda a sua inocência e sabedoria, acabou dando uma lição muito especial a todos que estavam ao seu redor.

 

 

Tudo começou quando a pequena Sophia Benner, que tem apenas 2 anos e já sonha em ser médica, foi levada pela mãe à uma loja de brinquedos e escolheu uma boneca negra de presente. Radiante com sua nova companheira de brincadeiras, a menina foi até a área de pagamento, quando teve que lidar com o estranhamento da caixa. “A atendente perguntou a Sophia se ela estava indo para uma festa de aniversário. Nós duas lhe demos um olhar vazio. Ela então apontou para a boneca e perguntou a Sophia se ela havia a escolhido para uma amiga”, escreveu a mãe da garota, Brandi, em sua página do Facebook.

 

Ainda de acordo com o relato, a caixa não se deu por satisfeita e decidiu ser mais direta. “’Tem certeza de que é a boneca que você quer, querida?’ Sophia finalmente encontrou sua voz e disse: ‘Sim, por favor!’”. Sem se intimidar, a funcionária foi ainda mais longe. “Mas ela não se parece com você, temos muitas outras bonecas mais parecidas com você”.

 

Foi aí que Sophia mostrou sua sabedoria. “Sim, ela se parece comigo. Ela e uma médica e eu sou uma médica. E eu sou uma menina bonita, assim como ela é uma menina bonita. Consegue ver seu cabelo bonito? E o seu estetoscópio?”, respondeu a pequena.

 

Diante desses argumentos, ela não só calou a caixa, como encheu a mãe de orgulho. “Esta experiência apenas confirmou minha crença de que não nascemos com a ideia de que a cor importa. A pele vem em cores diferentes , assim como o cabelo e os olhos. E cada tom é bonito”, finalizou.

 

O post, publicado em 31 de março, tocou muitas pessoas que felizmente pensam da mesma maneira: no Facebook já são mais de 600 mil curtidas e 200 mil compartilhamentos. Lindo ver esse tipo de relato ser dividido e ganhar força, não?

 

Um projeto para te reconectar com a alegria da infância

sábado, 1 de abril de 2017

 

 

“À medida que nos tornamos adultos, o que acontece com o entusiasmo, essa capacidade de estar totalmente presente no momento? Por que os momentos de imaginação e paixão são tão frequentemente substituídos por cinismo e indiferença?”, diz o fotógrafo de dança Jordan Matter para explicar o significado de seu novo projeto “Tiny Dancers Among Us” (Pequenos Dançarinos Entre Nós, em tradução livre).

 

 

Ele conta que as ideias para as imagens e os pensamentos que abriram esse texto surgiram ao ver sua filha brincando e dançando despretensiosamente na neve (a foto dessa situação abre esse post post): o profissional passou dois anos clicando seus personagens ao redor dos Estados Unidos. “Enquanto fotografei essas crianças, tentei celebrar os momentos cotidianos da infância. As crianças dançando ecoam em todos nós, não apenas nos bailarinos, e dão vida às nossas lembranças”, escreve em seu site oficial.

 

 

Além dessa incrível explanação, o que mais me chamou a atenção no novo trabalho de Matter – conhecido pelos projetos prévios “Dancers Among Us” e “Dancers After Dark” – foi a espontaneidade e a alegria dos pequenos retratados. Uma linda maneira de nos reconectar com a infância (e tudo a ver com o clima do fim de semana), não é?

 

 

O vídeo abaixo mostra um pouco do trabalho e os bastidores de algumas das fotos:

 

 

Gostou? Em breve essas fotos integrarão um lindo livro. Adorei!