Daqui Dali

Um pouco do mundo, um mundo de coisas. Da vida, da sua e da minha. DAQUI E DALI.

Arquivo da Categoria ‘Cotidiano’

Artista russo transforma veículos sujos em tela para seus trabalhos

quinta-feira, 20 de abril de 2017

 

 

Pode confessar: quando criança, ao ver um carro bem empoeirado, você se arriscava a fazer algum desenho com os dedos sobre ele?

 

 

Pois essa traquinagem infantil ganhou contornos profissionais – mas ainda divertidos – no trabalho de Nikita Golubev. Esse artista russo surpreende ao desenhar animais perfeitos em carros e caminhões cobertos de sujeira.

 

 

As obras da série “Dirty Art” (arte suja, em tradução livre) se perdem assim que os proprietários dos veículos os lavam e, por isso, o artista fotografa cada imagem e divulga em suas páginas no Facebook e no Instagram.

 

 

Adorei! Uma maneira muito criativa de transformar o cinza e sem graça em algo cheio de vida. Tudo a ver com o clima leve do feriado que está por vir ;)

 

Museu usa cantos dos pássaros para criar despertador que promete trazer tranquilidade e beleza às manhãs

terça-feira, 18 de abril de 2017

 

 

É quase impossível dormir o quanto a gente deseja, não é? E, por conta disso, um elemento pouco querido se faz cada vez mais necessário no cotidiano: o despertador. Nada pior, no entanto, do que acordar abruptamente para retomar a rotina.

 

Pensando em amenizar essa ruptura com o sono e transformar o despertar em um momento cheio de tranquilidade, o Carnegie Museum of Natural History – em parceria com Innovation Studio – criou o Dawn Chorus (o Coral do Amanhecer, em tradução livre).

 

 

O aplicativo, gratuito para Android e iOS, utiliza os cantos de 20 pássaros diferentes como alarme. De acordo com a página do app, é possível ouvir uma seleção aleatória de aves na hora escolhida ou optar por determinadas espécies para a missão de te acordar.

 

Além disso, o programa ainda possibilita que você tenha mais informações (em inglês) sobre cada um dos pássaros, todos nativos do nordeste dos Estados Unidos. Legal, não é? Vai testar?

 

Duas vidas e uma única história: vídeo impactante fala sobre a difícil trajetória dos refugiados

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

 

Quem acompanha o noticiário sabe que cada dia mais pessoas – principalmente da Síria – deixam suas casas fugindo de conflitos, da intolerância e da miséria em busca de uma vida melhor e mais pacífica em países nem sempre dispostos a aceitá-las.

 

Nesse processo desesperador pela sobrevivência, profissões, bens e documentos são deixados para trás, entes queridos ficam apenas na memória. É essa história triste, de dor e superação, que Harry, um sobrevivente da Segunda Guerra Mundial; e Ahmed, um garotinho sírio, contam em vídeo divulgado na página do UNICEF.

 

 

Impressionante como, depois de 70 anos, os mesmos problemas são enfrentados, não é? Um vídeo para assistir, refletir e trabalhar para humanizar cada vez mais as relações.

 

É hora de procurar e celebrar as semelhanças

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

 

Você já percebeu como o mundo, principalmente o digital, pode apresentar uma realidade bastante agressiva em que aquele que não pensa como a gente automaticamente passa a ser visto como um inimigo? Essa divisão entre “nós” e “eles” é muito preocupante, já que impede a discussão de ideias, a compreensão do ponto de vista alheio e a empatia.

 

É preciso ir na contramão desse impulso e ver mais semelhanças do que diferenças no outro. Afinal, nós todos queremos é uma vida melhor, não é mesmo? E foi por isso que uma campanha de um canal de TV na Dinamarca tocou tantos corações.

 

O vídeo começa mostrando pessoas “encaixotadas” em grupos pautados por classe social, emprego, convicções e muito mais. A sensação inicial é de estranhamento, tanto para o espectador, quanto para os que fazem parte do experimento.

 

Logo, no entanto, fica claro que essa classificação não é algo definitivo e intransponível. Sim, indivíduos que à primeira vista parecem não ter nada em comum podem dividir o mesmo gosto por algo, a dor da solidão, a maneira como criam os filhos. Assista:

 

 

Apesar de focar bastante na Dinamarca, esse é um vídeo universal e a lição é tão clara quanto terna: basta dar uma chance ao outro, quebrar o gelo inicial, para encontrar aquilo que nos une. Os sorrisos e abraços entre os “estranhos” do vídeo são a prova do quanto as semelhanças são muito mais fortes e poderosas do que as diferenças. Vamos praticar isso na vida?

 

Em lindo projeto, bailarinas ocupam as ruas do Egito

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

 

 

Se você acompanha o blog, já deve ter visto por aqui algumas postagens sobre projetos que focam na força e na beleza dos movimentos de dança. Hoje, apresento mais uma iniciativa que tem bailarinas como protagonistas, mas com um propósito totalmente diferente.

 

 

Criado pelo egípcio Mohamed Taher, inicialmente “Ballerinas of Cairo” era apenas mais uma série de belas imagens mesclando o bailado e a cidade. “As fotos eram apenas pra gente. Nelas você vê o movimento do balé e a aspereza de Cairo. É muito contrastante”, explicou ele ao site “Up Worthy”.

 

 

Rapidamente, no entanto, o fotógrafo começou a notar que a ocupação da cidade tinha outro significado para as mulheres clicadas, já que elas podiam se expressar sem medo. “Há um grande problema para as mulheres nas ruas do Egito. Há muito assédio sexual (de acordo com a ONU, mais de 90% já sofreram com o problema)… então essa se tornou uma camada do projeto”, falou o profissional.

 

 

A partir dessa sacada, “Ballerinas of Cairo” passou a colocar em muitas das fotos postadas em seu perfil no Instagram histórias e pensamentos das bailarinas retratadas. A recepção, ao contrário do que Taher esperava por conta do conservadorismo do país, foi excelente. “Nós recebemos muitos comentários de meninas dizendo que querem fazer parte do projeto, que estão muito entusiasmadas. Elas querem dançar na rua, querem se sentir livres, querem ter esse sentimento de estar nas ruas novamente“, disse na mesma entrevista.

 

 

É ou não uma iniciativa para acompanhar? Eu adorei! E você?