Daqui Dali

Um pouco do mundo, um mundo de coisas. Da vida, da sua e da minha. DAQUI E DALI.

slug; ?>

Calendário traz atrizes sem maquiagem, mas ainda mais belas

 

 

Nada é mais tradicional no fim de ano do que receber um calendário anunciando os 365 dias que estão por vir. Um famoso anuário, no entanto, decidiu extrapolar a sua função de mostrar datas e belas imagens e marcar o ano de 2017 com uma impactante e libertadora mensagem: a perfeição não existe. E ainda bem!

 

“Sinto uma responsabilidade de libertar as mulheres da ideia da juventude eterna e da perfeição. O ideal de perfeição da sociedade é impossível de alcançar”, disse Peter Lindbergh, fotógrafo responsável pelos cliques que adornam o Calendário Pirelli 2017, ao site da marca.

 

 

Vindas desse ícone da fotografia, essas palavras ganham uma força ainda maior – uma vez que, em sua trajetória de sucesso, ele trabalhou com as maiores revistas de moda e as modelos mais conhecidas e celebradas do mundo. Alinhado com o seu tempo, contudo, o profissional pediu carta branca para clicar o calendário e utilizou dessa liberdade criativa para frisar que o belo vai muito além daquilo que é considerado padrão. “Em um momento em que as mulheres são representadas na mídia e em todo lugar como embaixadoras da perfeição e da juventude, achei que era importante lembrar a todos que existe um tipo diferente de beleza”, falou.

 

 

Para transformar esse conceito em imagens, ele escolheu um time de atrizes com as mais diferentes idades, biografias e carreiras ,e fez um convite muito especial. “Não fotografar um calendário sobre corpos perfeitos, mas capturar sensibilidade e emoção”, contou.

 

Foi assim que, entre maio e junho deste ano, Lindbergh fotografou Penelope Cruz, Nicole Kidman, Helen Mirren, Julianne Moore, Charlotte Rampling, Uma Thurman, Kate Winslet, Robin Wright, Jessica Chastain, Zhang Ziyi, Lea Seydoux, Lupita Nyong’o e Alicia Vikander, além da professora de Teoria Política na State University de Moscou Anastasia Ignatova.

 

 

Das 14 estrelas selecionadas, mais da metade já passou dos 40 anos – duas estão na casa dos 70. Contra a “ditadura da juventude”, posaram quase maquiagem e não foram retocadas na edição. É um retrato corajoso, honesto, forte e lindo dessas mulheres. “É quase como ver sua alma”, falou Penelope Cruz sobre o trabalho, que acertadamente recebeu o nome de “Emotional”.

 

 

Grande virada

 

O 44º Calendário Pirelli marca a terceira contribuição de Peter Lindbergh para a empresa, mas solidifica uma grande virada conceitual. O anuário, que começou sua história com imagens sensuais de top models, passou a se distanciar dessa tradição na edição de 2016, quando a fotógrafa Annie Leibovitz aboliu os ícones da passarela e decidiu focar seus esforços em mulheres inspiradoras, como a artista plástica Yoko Ono, a tenista Serena Williams e a cantora Patti Smith.

 

Nesse contexto, as 40 fotos de Lindbergh para 2017 surgem como um novo respiro e mais um passo nesse longo caminho para acabar com a objetificação da mulher e libertá-la dos padrões estéticos. Uma iniciativa para celebrar.

 

Tags: ,